Rede Mais Saúde - Facilidade e Economia

Olá Visitante! Faça seu login para acessar o seu perfil.

1 JAN

Quais vacinas o meu filho deve tomar?

Saiba quais as primeiras vacinas infantis que uma criança deve tomar, e em que idade são indicadas

Graças à vacinação, a expectativa de vida aumentou em 30 anos nas últimas décadas. As taxas de mortalidade infantil que antes ficavam acima de 20% no Brasil, reduziram para quase um dígito. Logo, a vacina (depois apenas da água potável) é a segunda maior contribuidora para a redução de casos de hospitalização, sequelas de doenças e para a manutenção da vida.

 

Sendo fundamentais para prevenir doenças, as vacinas estimulam a produção de anticorpos contra vírus e bactérias, protegendo o organismo de ameaças. No que se refere à vacinação infantil, além de ser uma etapa fundamental para o crescimento e desenvolvimento saudável de todas as crianças, é ainda obrigatória no Brasil.

 

Por isso, é recomendável estar atento ao calendário vacinal infantil e segui-lo de acordo para garantir a imunização e segurança do seu/ sua filho (a). É importante observar que principalmente no caso de bebês, não é indicado antecipar vacinas, já que possuem o sistema imunológico frágil e cada imunização deve respeitar os intervalos indicados.

 

Listamos a seguir a relação de vacinas a serem tomadas nos primeiros anos de vida (entre 0 a 3 anos de idade), e que são oferecidas gratuitamente através do SUS. Confira:

 

Principais vacinas dos 0 - 3 anos



BCG

Vacina de dose única aplicada no braço direito do bebê logo no primeiro mês de vida.

Age contra formas graves da tuberculose.

 

Hepatite B: 

Vacina de três doses e alto nível de proteção (chega a 95%), aplicada na coxa. A primeira dose deve ser feita após 12 horas do nascimento do bebê, a segunda após 30 dias da primeira dose, e a última após cinco meses da segunda dose.

 

Hepatite A:

 Dose única aplicada na coxa. Deve ser tomada entre os 15 e 23 meses de idade.

 

Penta / DTP: 

Três doses de vacina aplicadas na coxa, sendo a primeira aos dois meses, a segunda aos quatro meses e terceira aos seis meses de vida. Há ainda reforços aplicados aos 15 meses e também aos quatro anos. Sua proteção atua contra cinco doenças: hepatite B, coqueluche, tétano, difteria e infecções causadas pela bactéria Haemophilus tipo B.

VIP/ VOP: 

Vacina de três doses com proteção contra a paralisia infantil. A primeira dose é feita aos dois meses, a segunda aos quatro meses e a terceira aos seis meses. Fora os reforços que são aos quinze meses e aos quatro anos de idade. As três primeiras doses (VIP) são injetáveis, aplicadas na coxa, enquanto que os reforços (VOP) são gotinhas. 

Pneumocócica 10-valente (Pncc 10): 

vacina de duas doses aplicada na coxa. A primeira aplicação acontece aos dois meses e a segunda aos quatro. Há ainda um reforço quando a criança completa um ano. Com a Pncc 10 a criança fica protegida contra dez subtipos da bactéria pneumococo.

 

Rotavírus: 

são duas doses da medicação, tomadas por via oral, ou seja, através de gotas. A primeira deve acontecer aos dois meses e a segunda aos quatro. Sua função é proteger a criança contra uma grave infecção gastrointestinal que pode levar à morte por desidratação.

 

Meningocócica C: 

são duas doses aplicadas na coxa, a primeira aos três meses e a segunda aos cinco. Ao completar um ano de idade há ainda um reforço. A vacina evita lesões cerebrais e surdez decorrentes da Meningite C.

 

Febre amarela: 

vacina de dose única, aplicada no braço, em crianças de nove meses de idade.

 

Tríplice viral: 

vacina de duas doses, aplicadas na região do braço. A primeira deve ser feita aos doze meses de idade e a segunda aos quinze. A vacina da tríplice protege a criança contra caxumba, rubéola e sarampo, e necessita de reforço aos quatro, e após aos seis anos.

 

Influenza: 

deve ser tomada anualmente a partir dos seis meses de idade até os cinco anos. É aplicada na região do braço, e protege contra a gripe.
 

Tetra viral: 

aplicada aos quinze meses, no reforço da Tríplice Viral, na região do braço ou coxa. Oferece proteção contra sarampo, rubéola, caxumba e catapora (varicela).

 

 

Vacinas da rede privada

 

Meningocócica B: 

vacina de duas doses, sendo a primeira aos três meses e a segunda aos cinco meses de vida, e os reforços aos doze e quinze meses. Sua aplicação é feita intramuscular. Oferece proteção contra meningite causada pela bactéria meningococo do sorogrupo B.

 

Pneumo 13 valente: 

vacina de três doses, com intervalo de dois meses entre elas. É indicada para crianças de dois a seis meses de idade, e sua aplicação é na coxa. Seu reforço deve ser realizado entre doze e quinze meses. A vacina da pneumo 13 valente auxilia na proteção contra infecções causadas por 13 sorotipos de pneumococos que representam 90% das doenças graves pneumocócicas como pneumonia, septicemia (infecção generalizada) e meningite.

 

Vacina pentavalente:  

ao todo a criança deve tomar três doses da vacina: aos dois, aos quatro e aos seis meses de vida. Sua aplicação é feita na coxa, e seus reforços devem ser feitos a partir de um ano de idade através da DTP (vacina contra a difteria, tétano e pertússis).

 

Vacina Hexavalente: 

vacina de três doses, devendo ser feita aos dois, quatro e seis meses de idade. Sua aplicação é intramuscular, e necessita de dois reforços, sendo o primeiro entre os doze e dezoito meses e o segundo entre os quatro e seis anos de idade.

 

 

Observe que, sintomas temporários após a vacinação (como febre e dor local), são normais. Em caso de dúvidas, consulte o pediatra de sua confiança para mais informações.

 

Além disso, vale ressaltar que, embora o conteúdo deste artigo sirva como base vacinal, não substitui o acompanhamento médico regular.

 

Que tal melhorar o cuidado com a saúde da sua família? Através da Rede Mais Saúde é possível ter acesso a diversos serviços de saúde particular (pediatras, médicos, ginecologistas, exames de diagnóstico por imagem e exames clínicos), com preços reduzidos. Saiba mais em nosso site, e melhore agora mesmo os cuidados com quem você ama.